Como Adicionar Slot Na Arma Ragnarok

Algumas armas e equipamentos podem ser encantados por NPCs especiais espalhados por Midgard.

Ragnarok Online Item Database. Find detailed information on Weapon -. With monster drop, description and other information for each item.

Como Adicionar Slot Na Arma Ragnarok amount in cash to play for. There is then also the free spins which often is limited to a specific type of game. We always recommend the free cash since then you often have more freedom Como Adicionar Slot Na Arma Ragnarok to select whatever slot you want to play. This feature is not available right now. Please try again later. Published on Feb 2, 2019. DISCORD DO CANAL. +10 COMO REFINAR? RAGNAROK M ETERNAL LOVE - Duration: 13:33. ©2020 gravity interactive, inc. All rights reserved.

Um encantamento é um bônus especial que não ocupa o mesmo espaço de uma carta.


  • 2Encantadores

Identificação

Equipamentos encantados terão cores diferentes e uma sigla no final do nome.

  • Verde: 1 encanto
  • Azul: 2 encantos
  • Laranja: 3 encantos
  • Roxo: 4 encantos
Encanto Sigla Encanto Sigla
Espírito do Lutador (EL) Super Força (S.FOR)
Pedra da Mira Apurada (MA) Super Agilidade (S.AGI)
Pedra de Crítico (PC) Super Vitalidade (S.VIT)
Pedra de Encantamento (PE) Super Inteligência (S.INT)
Redução Neutra (RN) Super Destreza (S.DES)
Redução Humanoide (RH) Super Sorte (S.SOR)
Arcebispo (AB) Pedra de Feitiço (PF)
Fatal (F) Esquiva (ESQV)
Anti-Atraso (AA) Neutralidade (Neut)

Encantadores

Armaduras

  • Armaduras são encantadas pela Aprendiz de Encantamento /navi prontera 165/60
  • Cada processo de encanto custa 400.000 zenys.
  • O encanto é aleatório entre +1 a +3 em um dos atributos primários (FOR, AGI, VIT, INT, DES, SOR).
    • Apenas 1 pedra de encanto pode ser adicionada na armadura.
    • Quando se encanta uma armadura, o refinamento e a carta equipada serão perdidos.
    • Se você encantar uma armadura duas ou mais vezes, prevalecerá o último encanto.
  • A armadura precisa estar no inventário.
    • É recomendado que somente a armadura desejada esteja no inventário.
  • Há uma chance de falha, perdendo a armadura para sempre.
  • A chance de sucesso no processo de encanto varia de acordo com a classe da armadura.
Armadura Sem slot Com slot Alto Nível
Capote Sim Sim Não
Casaco Sim Sim Não
Cota de Malha Sim Sim Não
Armadura Metálica Sim Sim Não
Manto de Seda Sim Sim Não
Manto Sagrado Sim Sim Não
Malha Sim Sim Não
Manto Prateado Sim Sim Não
Traje de Gatuno Sim Sim Não
Indumentária Ninja Sim Não Não
Armadura Legionária Sim Sim Não
Batina Sim Não Não
Armadura de Madeira Sim Não Não
Vestimenta Arcana Sim Não Não
Armadura Camaleão Sim - Não
Túnica Gloriosa Sim - Não
Túnica Gloriosa Industrializada Sim - Não
Túnica Gloriosa Barata Sim - Não
Casaco de Pele - Sim Não
Vestimenta Nobre - Sim Não
Jaqueta Brilhante - Sim Não
Paletó - Sim Não
Escapulário Não Sim Não
Armadura Sem slot Com slot Alto Nível
Couraça Flamejante Sim Sim Não
Couraça Oceânica Sim Sim Não
Couraça Celestial Sim Sim Não
Couraça Continental Sim Sim Não
Armadura de Meteo - Sim Sim
Bata de Orleans - Sim Sim
Manto de Diabolus - Sim Sim
Armadura de Diabolus - Sim Sim
Armadura de Assalto - Sim Sim
Armadura de Elite - Sim Sim
Manto do Mercenário - Sim Sim
Manto de Batalha do Feiticeiro - Sim Sim
Manto do Médico - Sim Sim
T. do Arqueiro de Elite - Sim Sim
T. do Artilheiro de Elite - Sim Sim
Armadura de Corrida - Sim Sim
Kandura - Sim Sim
Cota de Escamas de Naga - Sim Sim
Malha Aprimorada - Sim Sim
Armadura Vital - Sim Sim
Armadura das Valquírias - Sim Sim
Armadura de Aprendiz - Sim Não
Proteção Angelical - Sim Não

Armas Aprimoradas

  • Armas Aprimoradas são encantadas com o Encantador Diabólico /navi prontera 107/65
  • Cada processo de encanto custa 1 Livro de Encantamentos adquirido na loja ROPs.
  • Apenas 1 encanto pode ser adicionado na arma.
  • Você pode escolher o tipo do encanto (Físico ou Mágico), mas o encantamento é aleatório.
  • O encanto pode ser resetado por 100.000 zenys.
  • Existe uma pequena chance do processo de encanto falhar.
    • Em casos de falha, a arma perde o refinamento.
    • O Livro de Encantamentos será consumido mesmo em caso de falha.
    • A carta e a arma não serão perdidas em caso de falha.
    • Se o processo for bem sucedido, o refino será mantido.
Armas Encantos (Slot 4)
  • FOR +5 até +10
  • AGI +5 até +10
  • VIT +5 até +10
  • INT +5 até +10
  • DES +5 até +10
  • SOR +5 até +10
  • ATQM +1%, +2% ou +3%
  • Espírito do Lutador 4 ou 5
  • Pedra da Mira Apurada 4 ou 5
  • Pedra de Crítico 4 ou 5
  • Pedra de Encantamento 4 ou 5

Arcanjo

  • As Asas de Arcanjo são encantadas pelo Mestre Arcanjo /navi prontera 110/64
  • O processo de encanto custa 1.000.000 zenys.
  • As Asas de Arcanjo recebem apenas 1 pedra de encanto.
  • Os encantos são aleatórios.
  • O encanto pode ser resetado com 5 Eluniuns Enriquecidos.
    • Os Eluniuns Enriquecidos precisam estar ocupando o mesmo espaço no inventário.
    • Para juntar os Eluniuns Enriquecidos, fale com o NPC Abra /navi alberta 120/60
  • Existem chances de perder as Asas de Arcanjo em caso de falha.
  • Carta e refino serão mantidos em caso de sucesso.
Encantos possíveis (Slot 4)
Super Destreza
Super Força
Super Sorte
Super Inteligência
Super Vitalidade
Super Agilidade
Redução Neutra 1
Redução Humanoide 1
FOR +1 ou +2
INT +1 ou +2
AGI +1 ou +2
DES +1 ou +2
VIT +1 ou +2
SOR +1 ou +2
Pedra de Encantamento 2 ou 3
ATQM +1% ou +2%
Espírito do Lutador 2 ou 3
Arcebispo 2, 3 ou 4
Pedra da Mira Apurada 2 ou 3
Pedra de Crítico 2 ou 3

Arcanjo Caído

  • As Asas de Arcanjo Caído são encantadas pela Valquíria Iluminada /navi geffen 148/64
  • Cada processo de encantamento garante 1 encanto, num máximo de 3 encantos.
  • Encantar as Asas de Arcanjo Caído é de graça.
  • Você pode escolher a categoria do encanto, mas não pode escolher um encanto específico.
  • O refinamento do item define a quantidade de encantamentos:
    • +0 a +6 = 1 encanto
    • +7 ou +8 = 2 encantos
    • +9 em diante = 3 encantos
  • Se as Asas de Arcanjo Caído estiverem refinadas no +9, a 3ª vez que for encantada terá a chance de receber um encanto mais forte.
  • Não existem chances de perder o equipamento em caso de falha.
  • Em casos de sucesso, o refino e a carta não serão perdidos.
  • É possível resetar os encantos pelo valor de 3.000.000 zenys.
    • O reset remove todos os encantos do equipamento.
    • Não há perda de carta ou refinos ao resetar.
Categoria Encantos possíveis
(Slot 2, 3 e 4)
Chance adicional
no refino +9 (Slot 2)
MágicoPedra de Encantamento 4, 5 ou 6Pedra de Encantamento 7
CríticoFatal 1, 2 ou 3Fatal 4
SPSP +25, +50 ou +75SP +100
ForçaFOR +3, +4 ou +5Super Força
VitalidadeVIT +3, +4 ou +5Super Vitalidade
DestrezaDES +3, +4 ou +5Super Destreza
Itens em Ragnarök Online
EquipamentosSlot ·Cartas ·Lista de Cartas ·Conjuntos ·Autoconjuração
Bônus Aleatórios & EncantamentoE.X.C. ·Asas Arcanjo ·Armas Aprimoradas ·Botas Temporais ·Natal ·Conjuntos de Mora ·Encantamentos de Malangdo ·Éden ·Armas Biológicas ·Ninja
ROPsCatálogo de Ovos ·Paródias ·Desentupidor ·Mister Peso
Outros Taxa de DROP ·Tintura ·Culinária ·Refinamento ·Forja ·Alquimia ·Leitura de Livros
Disponível em 'http://browiki.org/index.php?title=Encantamento&oldid=23340'
Provas:MPE-PR - 2017 - MPE-PR - Promotor Substituto
Disciplina:Direito Penal
Assuntos:

Sobre o tipo dos crimes culposos, assinale a alternativa correta:

Date: 03/06/2018

O crime culposo está previsto no artigo 18, II, do Código Penal Brasileiro com a seguinte redação:

Art. 18 - Diz-se o crime:

(...)

II - culposo, quando o agente deu causa ao resultado por imprudência, negligência ou imperícia.

E, também, no Código Penal Militar:

Art. 33 . Diz-se o crime:

(...)

II - culposo, quando o agente, deixando de empregar a cautela, atenção, ou diligência ordinária, ou especial, a que estava obrigado em face das circunstâncias, não prevê o resultado que podia prever ou, prevendo-o, supõe levianamente que não se realizaria ou que poderia evitá-lo.

O crime culposo consiste numa conduta voluntária que realiza um fato ilícito não querido pelo agente, mas que foi por ele previsto ( culpa consciente ) ou lhe era previsível ( culpa inconsciente ) e que podia ser evitado se o agente atuasse com o devido cuidado.

Assim, são elementos do crime culposo:

a) Conduta humana voluntária . A voluntariedade está relacionada à ação, e não ao resultado.

b) Violação de um dever de cuidado objetivo . O agente atua em desacordo com o que é esperado pela lei e pela sociedade. São formas de violação do dever de cuidado, ou mais conhecidas como modalidades de culpa, a imprudência, a negligência e a imperícia.

c) Resultado naturalístico . Não haverá crime culposo se, mesmo havendo falta de cuidado por parte do agente, não ocorrer o resultado lesivo a um bem jurídico tutelado. Assim, em regra, todo crime culposo é um crime material.

d) Nexo causal .

e) Previsibilidade . É a possibilidade de conhecer o perigo. Na culpa consciente, mais do que a previsibilidade, o agente tem a previsão (efetivo conhecimento do perigo).

f) Tipicidade . CP, Art. 18 - Diz-se o crime: Parágrafo unicoo - Salvo os casos expressos em lei, ninguém pode ser punido por fato previsto como crime, senão quando o pratica dolosamente.

Date: 03/06/2018

Comentário à letra C, correta:

Desvalor da ação e desvalor do resultado: o desvalor da ação (valoração negativa que se faz em relação à conduta do agente) é importante em Direito penal, porém, para a configuração do injusto penal também é imprescindível o desvalor do resultado.

Date: 03/06/2018

Dolo Eventual: quando o agente não quis o resultado, mas conheceu do risco. O agente é indiferente quanto ao resultado.

Já a culpa consciente é a culpa que ocorre 'quando o agente prevê que sua conduta pode levar a um certo resultado lesivo, embora acredite, firmemente, que tal evento não se realizará, confiando na sua atuação (vontade) para impedir o resultado' (NUCCI, 2010, p. 211). Greco (2006, p. 218), por sua vez, define a culpa consciente como sendo aquela em que o agente, embora prevendo o resultado, não deixa de praticar a conduta acreditando, sinceramente, que este resultado não venha a ocorrer. O resultado, embora previsto, não é assumido ou aceito pelo agente, que confia na sua não-ocorrência.

ALTERNATIVA 'C' INCORRETA. O AGENTE RESPONDE PELA CULPA CONSCIENTE, VISTO QUE ELE ACREDITOU QUE SUA HABILIDADE SERIA SUFICIENTE PARA EVITAR O RESULTADO.

Provas:MPE-PR - 2017 - MPE-PR - Promotor Substituto
Disciplina:Direito Penal
Assuntos:Erro de tipo e erro de proibição

Sobre modalidades de erro, assinale a alternativa ,incorreta:

Date: 03/06/2018

A alternativa C está incorreta porque não é erro de proibição direto. Trata-se de erro de proibição indireto (descriminante putativa por erro de proibição ou erro de permissão): erro sobre a existência ou limites de uma excludente de ilicitude.

Date: 03/06/2018

Na letra C, o agente supoe que está em legítima defesa putativa (expressão supoe).

Erro de proibição indireto.

Date: 03/06/2018
Date: 03/06/2018

Macete:

Erro acerca das circunstâncias fáticas→ erro de tipo(20, § 1º, CP)

Erro acerca da existência da causa de justificação → erro de proibição direto(21, CP)

Erro acerca dos limites da causa de justificação →erro de proibição indireto (21, CP)

Provas:MPE-PR - 2017 - MPE-PR - Promotor Substituto
Disciplina:Direito Penal
Assuntos:Crimes tentados ou consumados

Sobre tentativa e consumação, assinale a alternativa correta:

Date: 03/06/2018

Teoria Objetiva-formal/ Critério lógico-formal/ Realística: Somente haverá tentativa se o agente começar a realizar condutas descritas no núcleo do tipo penal. Torna-se imprescindível o inicio de ações executórias que estejam formalmente descritas.

Date: 03/06/2018
Date: 03/06/2018

Teoria objetivo-individual: Da análise do plano concreto do autor, podemos concluir que o agente ativo tinha como objetivo a realização do crime, portanto, houve tentativa de furto.

18 de Novembro de 2017, às 08h37

Date: 03/06/2018

Questão D desistência involuntária proveniente de considerar de ser preso.

Date: 03/06/2018

A TRAPALHADA DO LADRÃO GORDO

Parte integrante do Livro Direito Penal, Série Universitária, Editora Campus/Elsevier (no prelo).

Como Promotor de Justiça, acompanhei o seguinte caso: Tício queria subtrair a televisão de Mévia. Sabendo que a vítima não estaria em sua residência no final de semana, decidiu entrar na casa de Mévia e, ao tentar passar pela grade de proteção, ficou preso. Os vizinhos acordaram com os gritos de Tício, que não conseguia se livrar das grades. Ao amanhecer, os policiais encontraram o ladrão preso nas grades. E agora? Qual a solução jurídica?

SOLUÇÃO JURÍDICA ? Não obstante os esforços doutrinários, ainda não surgiu na dogmática penal teoria capaz de estabelecer segura delimitação entre atos preparatórios e início de execução.

Há, em realidade, uma sensível e quase invisível diferença entre os atos preparatórios e o início da execução.

Existem várias teorias que tentam explicar a diferença entre os atos preparatórios e o início da execução. Vejamos.

a) TEORIA SUBJETIVA ? O início da execução ocorre sempre que o agente ativo pratica atos demonstrando que sua intenção é lesar um bem jurídico.

Exemplo didático: Tício discutiu com Mévio. Logo após, Tício, querendo se vingar de Mévio, armou uma cilada, ficando escondido atrás de umas árvores, apontando sua arma na direção da estrada que sempre era usada por Mévio para chegar em sua residência. Aconselhado por amigos, Mévio não foi naquela noite dormir em sua casa.

Solução jurídica: Segundo a teoria subjetiva, Tício responderia por tentativa de homicídio, uma vez que exteriorizou de maneira inequívoca sua intenção criminosa. Observe que esta teoria não pode ser adotada, pois não faz a mínima distinção entre os atos preparatórios e os de execução.

b) TEORIA OBJETIVA ? O início da execução ocorre quando o agente ativo pratica atos adequados a propiciar lesão ao objeto jurídico protegido.

Exemplo didático: Tício discutiu com Mévio. Logo após, Tício, querendo se vingar de Mévio, armou uma cilada, ficando escondido atrás de umas árvores, apontando sua arma na direção da estrada que sempre era usada por Mévio para chegar em sua residência. Quando Mévio estava se aproximando do local, Tício efetuou três disparos, mas, por erro de pontaria, a vítima não foi ferida.

A teoria objetiva foi a adotada pelo Código Penal, mas ainda há divergência, pois a teoria objetiva se divide em:

c) TEORIA OBJETIVO-FORMAL ? Ensina Fragoso que, por esse critério, são atos executórios aqueles que iniciam a realização da ação típica, descrita no tipo incriminador.1

Resumo didático: Inicia-se a execução com o início da realização do núcleo (verbo) do tipo penal.

Exemplo didático: No primeiro exemplo, só haveria tentativa se Tício apontasse a arma municiada para Mévio e acionasse o gatilho, portanto, o ato de ficar de tocaia é meramente preparatório.

Embora majoritária na doutrina brasileira, entendo que a teoria objetivo-formal é muito falha e contribui com a criminalidade.

Exemplo didático: Tício, querendo estuprar Mévia, usa poderoso narcótico para deixá-la desacordada, depois a amarra na cama, em posição propícia à penetração, despe-se e coloca-se sobre ela, pronto para a conjunção. Neste exato momento, Petrus abre a porta e impede o macabro desejo de Tício.

Solução jurídica: Pelo critério objetivo-formal, não houve tentativa, mas só atos preparatórios, porque o agente não iniciou a conjunção carnal.

d) TEORIA OBJETIVO MATERIAL ? Essa teoria afirma que os atos executórios não são apenas os que realizam o núcleo do tipo ou atacam o bem jurídico, mas também aqueles imediatamente anteriores ao início da ação típica, valendo-se o juiz do critério do terceiro observador, para ter certeza da punição.

Resumo didático: Há um complemento da teoria anterior, pois, segundo a teoria objetivo-material, inicia-se a execução:

a) tanto com a realização do verbo do tipo (teoria objetivo-formal);

b) como também pelas condutas anteriores que, pela concepção natural ou experiência em comum, leve à conclusão de que o agente ativo tinha como objetivo a realização do crime.

Na realidade, a teoria objetivo-material apresenta maior proteção ao bem jurídico do que a objetivo-formal, mas há um grave problema, que é a análise no campo abstrato (experiência em comum) dos atos que de forma inequívoca objetivam a realização do crime, por exemplo:

Tício aponta uma arma para Mévio. Pergunta-se:

A experiência em comum ou o terceiro observador dirá que Tício quer matar ou quer apenas ameaçar Mévio? Ao levar a solução para o campo abstrato, ou seja, para opinião de um terceiro observador, teremos as seguintes soluções:

a) alguém, de acordo com a sua experiência, dirá que houve início de execução do crime de homicídio;

b) outra pessoa poderá afirmar que, na realidade, só houve ameaça, pois, se Tício quisesse matar, teria atirado.

O Direito Penal não pode conviver com dúvidas, portanto, foi necessário a criação de outra teoria.

e) TEORIA OBJETIVO-INDIVIDUAL ? Segundo Welzel, para essa tese sempre se há de partir da ação típica do delito em particular (subtrair, matar etc.), e partindo daí, verificar se, de acordo com seu plano delitivo, o agente realizou uma atividade imediata à realização típica.2 A tese foi originalmente concebida por Beling e desenvolvida por Welzel.3

Resumo didático: Há um complemento da teoria anterior, pois, segundo a teoria objetivo-individual, inicia-se a execução:

a) tanto com a realização do verbo do tipo (teoria objetivo-formal);

b) como também pelas condutas anteriores, que, segundo o plano concreto do autor, podemos concluir que o agente ativo tinha como objetivo a realização do crime.

Welzel considera como exemplo de execução em conformidade com a teoria objetivo-individual: sacar a arma municiada e fazer pontaria na direção da vítima visada, numa tentativa de homicídio; deslizar furtivamente pela sacada externa da casa que se pretende furtar; ter preparada a pimenta que se pretende lançar nos olhos da vítima do roubo, enquanto se mantém ligado o motor do carro para a fuga.4

Note que a diferença entre a teoria objetivo-individual e a objetivo-material é que naquela não é necessária a atividade abstrata (terceiro observador); ao contrário, deve-se buscar prova do plano concreto do autor, sem avaliação exterior.

SOLUÇÃO JURÍDICA DO CASO PRÁTICO ? O caso prático a ?trapalhada do ladrão gordo? será elucidado em consonância com a teoria adotada:

a) Teoria subjetiva: Houve tentativa de furto, pois o início da execução ocorre sempre que o agente ativo pratica atos que demonstram a intenção de praticar a infração penal.

b) Teoria objetivo-formal: Não existiu tentativa de furto, pois não houve o início da realização do núcleo (verbo) do tipo penal, qual seja, subtrair, portanto, o crime foi o de tentativa de violação de domicílio.

c) Teoria objetivo-material: Não houve condições para a efetiva subtração, mas, pela análise da experiência em comum, haveria possibilidades de concluirmos que o agente ativo tinha o desejo de subtrair, portanto, há tentativa de furto.

d) Teoria objetivo-individual: Da análise do plano concreto do autor, podemos concluir que o agente ativo tinha como objetivo a realização do crime, portanto, houve tentativa de furto. A teoria objetivo-formal é a preferida pelo entendimento doutrinário dominante, mas, como vocês já notaram, em defesa da sociedade, sempre que possível, adoto em meus livros a teoria que menos causa injustiças, portanto, adoto a teoria objetivo-individual.

Um abraço: Francisco Dirceu Barros

fonte: https://www.euvoupassar.com.br/artigos/detalhe?a=a-trapalhada-do-ladrao-gordo

Provas:MPE-PR - 2017 - MPE-PR - Promotor Substituto
Disciplina:Direito Penal
Assuntos:

Analise as assertivas relacionadas a crimes previstos na legislação penal especial, e assinale a alternativa correta:

Date: 03/06/2018

Para quem teve dúvidas na alternativa C:

Art. 40. As penas previstas nos arts. 33 a 37 desta Lei são aumentadas de um sexto a dois terços, se:

(...)

VI - sua prática envolver ou visar a atingir criança ou adolescente ou a quem tenha, por qualquer motivo, diminuída ou suprimida a capacidade de entendimento e determinação;

Tendo em vista que a Lei n° 11.343 estabelece causa de aumento de pena no que tange à corrupção de menores, a incidência do art. 244 - B do ECA, em concurso formal, configuraria bis in idem.

'Por que o art. 244-B do ECA deverá ser afastado?

Como vimos acima, o juiz não pode aplicar o art. 40, VI, da LD e também o art. 244-B do ECA porque estaria punindo duas vezes o réu pela mesma circunstância. Logo, só uma delas deverá prevalecer. No caso, deverá incidir o art. 40, VI, por ser esta previsão específica para os crimes envolvendo drogas. Assim, prevalece o art. 40, VI, em atenção ao princípio da especialidade.'

Fonte: dizer o direito


Date: 03/06/2018

a) Lei 9605/98 - Art. 27. Nos crimes ambientais de menor potencial ofensivo, a proposta de aplicação imediata de pena restritiva de direitos ou multa, prevista no art. 76 da Lei nº 9.099, de 26 de setembro de 1995, somente poderá ser formulada desde que tenha havido a prévia composição do dano ambiental, de que trata o art. 74 da mesma lei, salvo em caso de comprovada impossibilidade.

Provas:UFG - 2017 - TJ-GO - Juiz Leigo
Disciplina:Direito Penal
Assuntos:

Nos termos do Código Penal, as penas restritivas de direitos são autônomas e substituem as privativas de liberdade, quando aplicada pena privativa de liberdade não superior a quatro anos e o crime não for cometido com violência ou grave ameaça à pessoa ou, qualquer que seja a pena aplicada, se o crime for

Date: 03/06/2018

Art. 44. As penas restritivas de direitos são autônomas e substituem as privativas de liberdade, quando: ('Caput' do artigo com redação dada pela Lei nº 7.209, de 11/7/1984)

I - aplicada pena privativa de liberdade não superior a quatro anos e o crime não for cometido com violência ou grave ameaça à pessoa ou, qualquer que seja a pena aplicada, se o crime for CULPOSO

Provas:UFG - 2017 - TJ-GO - Juiz Leigo
Disciplina:Direito Penal
Assuntos:

Caso um acusado preencha os demais requisitos da Lei n. 9.099/1995, o Ministério Público, ao oferecer a denúncia, poderá propor a suspensão condicional do processo no seguinte crime contra o patrimônio, tipificado no Código Penal:

Date: 03/06/2018

Extorsão indireta

Art. 160. Exigir ou receber, como garantia de dívida, abusando da situação de alguém, documento que pode dar causa a procedimento criminal contra a vítima ou contra terceiro:

Pena - reclusão, de UM a três anos, e multa.


Duplicata simulada

Art. 172. Emitir fatura, duplicata ou nota de venda que não corresponda à mercadoria vendida, em quantidade ou qualidade, ou ao serviço prestado.

Pena - detenção, de 2 (dois) a 4 (quatro) anos, e multa. ('Caput' do artigo com redação dada pela Lei nº 8.137, de 27/12/1990)

Parágrafo único. Nas mesmas penas incorrerá aquele que falsificar ou adulterar a escrituração do Livro de Registro de Duplicatas. (Parágrafo único acrescido pela Lei nº 5.474, de 18/7/1968)

Date: 03/06/2018

lei 9.099, ART. 89. NOS CRIMES EM QUE A PENA MÍNIMA COMINADA FOR IGUAL OU INFERIOR A UM ANO, ABRANGIDAS OU NÃO POR ESTA LEI, O MINISTÉRIO PÚBLICO, AO OFERECER A DENÚNCIA, PODERÁ PROPOR A SUSPENSÃO DO PROCESSO,POR DOIS A QUATRO ANOS, DESDE QUE O ACUSADO NÃO ESTEJA SENDO PROCESSADO OU NÃO TENHA SIDO CONDENADO POR OUTRO CRIME, PRESENTES OS DEMAIS REQUISITOS QUE AUTORIZARIAM A SUSPENSÃO CONDICIONAL DA PENA (ART. 77 DO CÓDIGO PENAL).

Provas:VUNESP - 2017 - Prefeitura de São José dos Campos - SP - Procurador
Disciplina:Direito Penal
Assuntos:

Considerando os Crimes contra a Administração, nos exatos termos do art. 334-A, § 1º , III, quem reinsere no território nacional mercadoria brasileira destinada à exportação incorre na mesma pena do crime de

Date: 03/06/2018

Descaminho

Art. 334. Iludir, no todo ou em parte, o pagamento de direito ou imposto devido pela entrada, pela saída ou pelo consumo de mercadoria:

Pena - reclusão, de 1 (um) a 4 (quatro) anos.

Como Adicionar Slot Na Arma Ragnarok

§ 1º Incorre na mesma pena quem:

I - pratica navegação de cabotagem, fora dos casos permitidos em lei;

II - pratica fato assimilado, em lei especial, a descaminho;

III - vende, expõe à venda, mantém em depósito ou, de qualquer forma, utiliza em proveito próprio ou alheio, no exercício de atividade comercial ou industrial, mercadoria de procedência estrangeira que introduziu clandestinamente no País ou importou fraudulentamente ou que sabe ser produto de introdução clandestina no território nacional ou de importação fraudulenta por parte de outrem;

IV - adquire, recebe ou oculta, em proveito próprio ou alheio, no exercício de atividade comercial ou industrial, mercadoria de procedência estrangeira, desacompanhada de documentação legal ou acompanhada de documentos que sabe serem falsos.

§ 2º Equipara-se às atividades comerciais, para os efeitos deste artigo, qualquer forma de comércio irregular ou clandestino de mercadorias estrangeiras, inclusive o exercido em residências.

§ 3º A pena aplica-se em dobro se o crime de descaminho é praticado em transporte aéreo, marítimo ou fluvial. (Artigo com redação dada pela Lei nº 13.008, de 26/6/2014)


Contrabando

Art. 334-A. Importar ou exportar mercadoria proibida:

Pena - reclusão, de 2 (dois) a 5 ( cinco) anos.

§ 1º Incorre na mesma pena quem:

I - pratica fato assimilado, em lei especial, a contrabando;

II - importa ou exporta clandestinamente mercadoria que dependa de registro, análise ou autorização de órgão público competente;

III - reinsere no território nacional mercadoria brasileira destinada à exportação;

IV - vende, expõe à venda, mantém em depósito ou, de qualquer forma, utiliza em proveito próprio ou alheio, no exercício de atividade comercial ou industrial, mercadoria proibida pela lei brasileira;

V - adquire, recebe ou oculta, em proveito próprio ou alheio, no exercício de atividade comercial ou industrial, mercadoria proibida pela lei brasileira.

§ 2º Equipara-se às atividades comerciais, para os efeitos deste artigo, qualquer forma de comércio irregular ou clandestino de mercadorias estrangeiras, inclusive o exercido em residências.

§ 3º A pena aplica-se em dobro se o crime de contrabando é praticado em transporte aéreo, marítimo ou fluvial. (Artigo acrescido pela Lei nº 13.008, de 26/6/2014)

Provas:MPT - 2017 - MPT - Procurador do Trabalho
Disciplina:Direito Penal
Assuntos:
Date: 03/06/2018

TÍTULO IV
DOS CRIMES CONTRA
A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO

Aliciamento para o fim de emigração

Art. 206 - Recrutar trabalhadores, mediante fraude, com o fim de levá-los para território estrangeiro. (Redação dada pela Lei nº 8.683, de 1993)

Pena - detenção, de 1 (um) a 3 (três) anos e multa.

Date: 03/06/2018

DOS CRIMES E DAS INFRAÇÕES ADMINISTRATIVAS

Art. 88. Praticar, induzir ou incitar discriminação de pessoa em razão de sua deficiência:

Pena - reclusão, de 1 (um) a 3 (três) anos, e multa.

Provas:FGV - 2017 - OAB - Exame de Ordem Unificado - XXIII - Primeira Fase
Disciplina:Direito Penal
Assuntos:

Pedro, jovem rebelde, sai à procura de Henrique, 24 anos, seu inimigo, com a intenção de matá-lo, vindo a encontrá-lo conversando com uma senhora de 68 anos de idade. Pedro saca sua arma, regularizada e cujo porte era autorizado, e dispara em direção ao rival. Ao mesmo tempo, a senhora dava um abraço de despedida em Henrique e acaba sendo atingida pelo disparo. Henrique, que não sofreu qualquer lesão, tenta salvar a senhora, mas ela falece.Diante da situação narrada, em consulta técnica solicitada pela família, deverá ser esclarecido pelo advogado que a conduta de Pedro, de acordo com o Código Penal, configura

Date: 03/06/2018

Alternativa 'B'.

Ocorreu aberratio ictus em sentido estrito, onde, neste caso, o agente visou uma pessoa mas acabou atingindo outra, não incidindo a majorante da idade avançada, haja visto que ele responde como se tivesse atingido a primeira, nos termos do art. 73 do CP.

Se tivesse atingido além da idosa uma terceira pessoa, teria ocorrido aberratio ictus em sentido amplo.

BONS ESTUDOS :-0 !!!

Date: 03/06/2018

Como o dolo era matar seu desafeto, responde por homicídio doloso, sem causa de aumento de pena em razão da idade da vítima. Trata-se de aberratio ictus.

Date: 03/06/2018

Como o dolo era matar seu desafeto, responde por homicídio doloso, sem causa de aumento de pena em razão da idade da vítima. Trata-se de aberratio ictus.

Date: 03/06/2018

CP. Art. 73. Quando, por acidente ou erro no uso dos meios de execução, o agente, ao invés de atingir a pessoa que pretendia ofender, atinge pessoa diversa, responde como se tivesse praticado o crime contra aquela, atendendo-se ao disposto no § 3º do art. 20 deste Código. No caso de ser também atingida a pessoa que o agente pretendia ofender, aplica-se a regra do art. 70 deste Código.

Provas:IESES - 2017 - TJ-RO - Titular de Serviços de Notas e de Registros - Provimento
Disciplina:Direito Penal
Assuntos:

De acordo com os tipos penais previstos no Código Penal, é INCORRETO afirmar:

Date: 03/06/2018

LETRA A : CORRETA

Art. 171 - Obter, para si ou para outrem, vantagem ilícita, em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em erro, mediante artifício, ardil, ou qualquer outro meio fraudulento:

Pena - reclusão, de um a cinco anos, e multa, de quinhentos mil réis a dez contos de réis.

§ 4o Aplica-se a pena em dobro se o crime for cometido contra idoso. (Incluído pela Lei nº 13.228, de 2015)

LETRA D: INCORRETA

Art. 155 - Subtrair, para si ou para outrem, coisa alheia móvel:

Pena - reclusão, de um a quatro anos, e multa.

§ 5º - A pena é de reclusão de 3 (três) a 8 (oito) anos, se a subtração for de veículo automotor que venha a ser transportado para outro Estado ou para o exterior. (Incluído pela Lei nº 9.426, de 1996)

Como Adicionar Slot Na Arma Ragnarok Na

Art. 157 - Subtrair coisa móvel alheia, para si ou para outrem, mediante grave ameaça ou violência a pessoa, ou depois de havê-la, por qualquer meio, reduzido à impossibilidade de resistência:

Pena - reclusão, de quatro a dez anos, e multa.

§ 2º - A pena aumenta-se de um terço até metade:

IV - se a subtração for de veículo automotor que venha a ser transportado para outro Estado ou para o exterior; (Incluído pela Lei nº 9.426, de 1996)

Ao que indica, a alternativa 'D' é a incorreta, pois as penas entre a qualificadora do crime de furto §5° e no crime de roubo §2° são diferentes. A causa é a mesma, entretanto divergem quanto as penas.

Date: 03/06/2018

Questão incorreta alternativa D

No crime de furto previsto no artigo 155, § 5º do CP, a previsão trata-se de uma qualificadora, já no crime de roubo previsto no artigo 157, § 2º, IV do CP, trata-se de uma causa de aumento de pena e não uma qualificadora, visto que, a pena aumenta-se de um terço até a metade .

Qualificadoras aumentam a pena base do crime, por exemplo: no crime de furto simples (art. 155, caput do CP) a pena será de reclusão de 1 a 4 anos e multa, já no crime de furto qualificado (art. 155, § 4º do CP) a pena será de reclusão de 2 a 8 anos e multa.

Causas de Aumento de Pena majoram a pena do crime em frações, por exemplo: no crime de roubo (art. 157 do CP) a pena de 4 a 10 anos é aumentada de um terço até a metade (art. 157, § 2º, IV) se a subtração for de veículo automotor que venha a ser transportado para outro Estado ou para o exterior.

Date: 03/06/2018

Comentários à letra C:

Art. 163 - Destruir, inutilizar ou deteriorar coisa alheia:

Pena - detenção, de um a seis meses, ou multa.

Dano qualificado

Parágrafo único - Se o crime é cometido:

IV - por motivo egoístico ou com prejuízo considerável para a vítima:

Pena - detenção, de seis meses a três anos, e multa, além da pena correspondente à violência.

Art. 167 - Nos casos do art. 163, do inciso IV do seu parágrafo e do art. 164, somente se procede mediante queixa.

Date: 03/06/2018

Gabarito, D


D - incorreta - (gabarito) está incorreta galera, pois será qualificadora no FURTO, caso haja subtração de veículo automotor que venha a ser transportado para outro Estado ou para o exterior. Já no ROUBO, será simples causa de aumento de pena.
Importante ter em mente o seguinte: no ROUBO existe SOMENTE 2 QUALIFICADORAS, qual seja - Art.157 § 3º Se da violência resulta lesão corporal grave, a pena é de reclusão, de sete a quinze anos, além da multa; se resulta morte (LATROCÍNIO), a reclusão é de vinte a trinta anos, sem prejuízo da multa. É qualíficadora pois as penas mininas e máxias são aumentadas com referência a pena principal.
Outra observação importante:
Furto - Se há concurso de 2 ou mais pessoas - Qualíficadora;
Roubo - Se há concurso de 2 ou mais pessoas - Casa de aumento de penal (1/3 até metade).
A - correta - Exatamente, recente inclusão (2015) no código penal: Art. 171 - Estelionato contra idoso § 4o Aplica-se a pena em dobro se o crime for cometido contra idoso.
B - correta - Extorsão indireta - CP Art. 160 - Exigir ou receber, como garantia de dívida, abusando da situação de alguém, documento que pode dar causa a procedimento criminal contra a vítima ou contra terceiro: Pena - reclusão, de um a três anos, e multa.
Observação > se a vitima for incapaz, teremos o crime de abuso de incapazes:
CP - Art. 173 - Abusar, em proveito próprio ou alheio, de necessidade, paixão ou inexperiência de menor, ou da alienação ou debilidade mental de outrem, induzindo qualquer deles à prática de ato suscetível de produzir efeito jurídico, em prejuízo próprio ou de terceiro:
C - correta - O crime de DANO será qualificado, dentre outras, quando praticado por motivo egoístico com 'considerável' prejuízo para a vitima, sendo este de ação penal privada, vejamos:

Como Adicionar Slot Na Arma Ragnarok Eternal Love

CP - Art.163 - Dano qualificado - Parágrafo único - Se o crime é cometido: IV - por motivo egoístico ou com prejuízo considerável para a vítima(...)


Ação penal - Art. 167 - Nos casos do art. 163 (DANO), do inciso IV (por motivo egoístico ou com prejuízo considerável para a vítima) do seu parágrafo somente se procede mediante QUEIXA. Como visto, é de ação penal privada, visto que a queixa é a petição feita pelo particular ofendido em ação penal privada, sem qual nem mesmo poderá ser investigada, visto que esta é condição específica de procedibilidade.

Como Adicionar Slot Na Arma Ragnarok Download

fonte: comentário QC